De: Allancastro Silva Vieira

Estimados irmãos, desde o dia 27 de dezembro, quando recebi a notícia do Consulado Geral de Espanha em São Paulo que poderia viajar, pois meu visto teria sido aprovado, o coração bateu forte e um friozinho na barriga me acometeu: “enfim irei à Espanha para uma experiência missionária”. Muito me alegro em poder estar aqui, pois este é um projeto que venho amadurecendo desde 2009, quando, por ocasião da ordenação sacerdotal do Pe. Wagner Apolinário, conheci ao Pe. Macário e um grupo de leigos e leigas, que participou da animação missionária naquela data. Encantei-me pelo dinamismo e alegria estampados naqueles rostos e pelas coisas que disseram a respeito de seu trabalho aqui em Espanha. Estava em meu último ano de Filosofia e fiquei tão entusiasmado que chegando em casa disse ao reitor da comunidade: “quero ir a Espanha, morar, estudar e viver a missão lá”, desde então com o auxílio dos formadores, de confrades, amigos e amigas, rezei e esperei pela oportunidade de realizar este projeto.

alan ok 2

A Espanha, Portugal, Estados Unidos, sempre foram lugares que atraiam inúmeros jovens da minha cidadezinha de Itanhém, com o sonho de construir uma vida melhor, oportunidades de trabalho, e assim centenas de pessoas de lá saíram. Com a crise econômica que assola o mundo inteiro, sobretudo a Europa, os sonhos se tornaram dramas de imigrantes que se vêem sem dinheiro, sem pátria, sem esperanças, e quando descobri que a província de Espanha realizava um trabalho pastoral de auxílio a estas pessoas, não hesitei em confirmar minhas motivações.

Depois de dois anos estudando a Teologia no Instituto Teológico São Paulo – ITESP onde pude conhecer a realidade de um Deus que optou por sair das nuvens e caminhar com as pessoas, um Deus imigrante, que não está estático em fórmulas estéreis, mas é vivo e caminha conosco e em nós, me perguntei como as pessoas que estão na ruas, pelas praças, imigrantes e excluídos, sentem a presença de Deus, como Ele se apresenta a eles, e por isso, definitivamente resolvi buscar um contado com aqueles que estão próximos a estas pessoas, e pelo menos tentar ser uma mão amiga e ouvidos abertos à suas histórias de vida.

Estar aqui, convivendo com irmãos de nacionalidades diferentes, conhecendo uma cultura diferente, é ao mesmo tempo um grande desafio e uma grande alegria, que só afirma que pela linguagem do amor, podemos testemunhar ao mundo que vale a pena viver, e promover a vida.

Agradeço desde agora ao Pe. Adolfo e ao meu compatriota Weder pela recepção e à comunidade do Acueducto, minha nova casa, pela acolhida carinhosa e sincera. E de modo especial, expresso minha gratidão à SVD, que nos permite partilhar a vida e a internacionalidade, como parte de nosso carisma e vocação.

Uso de cookies

Este sitio web utiliza cookies para que usted tenga la mejor experiencia de usuario. Si continúa navegando está dando su consentimiento para la aceptación de las mencionadas cookies y la aceptación de nuestra política de cookies, pinche el enlace para mayor información.